Numa tentativa vã de redenção, resolvemos voltar justamente analisando os lançamentos relevantes que rolaram enquanto estivemos fora do universo musical/cibernético/pós-irônico dos gays da internet. Fato é: NENHUM girlgroup asiático lançou algo relevante em 2021 até agora, então voltamos a nossa atenção para as solistas coreanas e suas tentativas de sucesso durante esses primeiros três meses do ano, tentativas essas que pelo menos foram mais sólidas e frequentes que os grupos completos.

E finalmente VINTE-VINTE, o ano mais infame dos nossos ciclos temporais, chegou ao fim. Porém, antes de finalmente chutarmos essa urucubaca que foi o ano no geral, precisamos parar para uma indispensável e altamente culturalmente, socialmente, várias-coisas-mente relevante lista de 50 MELHORES MÚSICAS DO ANO pelo incansável JESUS USAVA CHANEL. Dessa vez reunimos todas as músicas em um post só pois simplesmente não havia tempo para postar a lista em partes separadas – o que é ótimo para você que entra no blog só pra dar uma conferida tão curta quanto a sua capacidade de se concentrar em qualquer atividade.

A JESUS RANKEIA tirou uma semana sabática para limpeza de imagem, mas já está de volta para a alegria de quem curte acompanhar esse cantinho do amargor (que não era a intenção original da coluna, já que só queríamos abrir um inocente espacinho para comentar lançamentos… só que o tanto de coisa ruim que anda saindo em 2020 não nos dá outra opção além de criticar negativamente).

Segunda-feira é dia de JESUS RANKEIA, o único post que ainda sai com regularidade no JESUS USAVA CHANEL. E se você sente plena saudade de demorados rolês na Renner ou na Riachuelo em busca daquela camisa de linho listrada que é o uniforme oficial do LGBT moderno™ enquanto é embalado pelo som ambiente formado por deliciosas faixas synthpop que parecem ter sido geradas por inteligência artificial, bom… essa edição da coluna é pra você!