A última década passou voando e, digamos, a passagem do tempo tem um efeito devastador nos membros do JESUS USAVA CHANEL, já que todos estamos chegando (mais cedo ou mais tarde) na periclitante faixa dos 30 anos. Dito isto, 2011 foi um ano que rendeu um número incrível de álbuns subestimados e que acabaram se tornando clássicos pop sem que nós sequer percebêssemos com clareza – e é por isso que o décimo episódio do nosso podcast vai falar exatamente sobre esses discos decenários e como eles tiveram uma importância enorme para a construção do ouvinte pop contemporâneo e do fã regular de cantoras flopadas e obscuras. Sintoniza seu rádio aí e vem dar play no JU2C #10!

O excelentíssmo podcast do JESUS USAVA CHANEL está de volta depois de alguns meses em hiato devido a problemas estruturais. E tem coisa melhor do que voltar – e dar o pontapé nos episódios de 2021 – com um episódio especialíssimo sobre TREVAS? Nesse oitava edição do JU2C, vamos falar um pouco sobre as Maldições modernas do universo pop, basicamente um compilado de urucubacas vindas direto do umbral e que tiram o sossego de artistas pop e todos os tipos. Vem dar play!

E finalmente VINTE-VINTE, o ano mais infame dos nossos ciclos temporais, chegou ao fim. Porém, antes de finalmente chutarmos essa urucubaca que foi o ano no geral, precisamos parar para uma indispensável e altamente culturalmente, socialmente, várias-coisas-mente relevante lista de 50 MELHORES MÚSICAS DO ANO pelo incansável JESUS USAVA CHANEL. Dessa vez reunimos todas as músicas em um post só pois simplesmente não havia tempo para postar a lista em partes separadas – o que é ótimo para você que entra no blog só pra dar uma conferida tão curta quanto a sua capacidade de se concentrar em qualquer atividade.

Começando as (atrasadas) listas de fim de ano do JESUS USAVA CHANEL, não podíamos deixar de fora um dos alicerces mais importantes da indústria musical: os videoclipes. 2020 foi um ano com visuais particularmente bastante diversificados, e nós aqui do blog visamos reunir nessa lista uma boa quantidade de artistas dos mais diversos gêneros e locais do mundo que dialogam com o que o público do JU2C geralmente ouve.

Prometida para agosto, a parte final da lista de 100 MELHORES MÚSICAS DA DÉCADA DE 2010 do JESUS USAVA CHANEL finalmente está no ar /o/. Como estamos dando o kickstart na nossa temporada de listas de final de ano – que vêm aí listando melhores músicas, álbuns, acontecimentos e lançamentos no geral -, resolvemos começar por essa adiadíssima e quase esquecida lista que elenca as 25 músicas mais apetitosas da década passada.

Agosto, o mês do cachorro louco, finalmente chegou ao fim. YASSSS! E como o JESUS USAVA CHANEL praticamente não funcionou durante esse mês inteiro, preparamos essa edição do PRE:CAST justamente para comentar os acontecimentos da música pop, do cenário político brasileiro e do panorama global da saúde mais relevantes desse oitavo mês do extenso e tortuoso ano de 2020. Vamos falar um pouco sobre a colaboração do BLACKPINK com a Selena Gomez em “Ice Cream”, da última edição do VMA, que premiou a Lady Gaga com o TRICON Award, do álbum “Smile” da Katy Perry, das celebridades furadoras de quarentena, das celebridades envenenadoras de maridos e também da discografia do RBD, que está prestes a entrar nas plataformas de streaming… Ufa! Vem dar play:

O que fazer quando você, uma artista anteriormente querida pelo público, deixou a sua reputação mais suja do que pau de galinheiro depois de um álbum de qualidade duvidosa? Uma limpeza de imagem musical, é claro! E é por isso que o sétimo episódio do podcast do JESUS USAVA CHANEL se trata de um longo estudo sobre a construção visual de mocinha na indústria da música pop, com uma discussão sobre artistas que mudaram seus direcionamentos musicais para reconquistarem o público – tudo com um selo Rafa Kalimann de qualidade! [TRIGGER WARNING] O episódio traz rápidas menções sobre assuntos densos como assédio e abuso sexual, então não clique em play caso esses sejam temas sensíveis para você.