O que fazer quando você, uma artista anteriormente querida pelo público, deixou a sua reputação mais suja do que pau de galinheiro depois de um álbum de qualidade duvidosa? Uma limpeza de imagem musical, é claro! E é por isso que o sétimo episódio do podcast do JESUS USAVA CHANEL se trata de um longo estudo sobre a construção visual de mocinha na indústria da música pop, com uma discussão sobre artistas que mudaram seus direcionamentos musicais para reconquistarem o público – tudo com um selo Rafa Kalimann de qualidade! [TRIGGER WARNING] O episódio traz rápidas menções sobre assuntos densos como assédio e abuso sexual, então não clique em play caso esses sejam temas sensíveis para você.

Com o Rainbow já caindo aos pedaços e o KARA prestes a se tornar um grupo de uma pessoa só (forças, Youngji), a DSP Media estava precisando de um novo girlgroup para continuar o seu legado de falcatruas e sonegação de impostos. Responsável vários hits no passado com suas empreitadas, não era possível que a empresa não conseguiria nada nessa nova geração, não é? Surge então em 2015 o APRIL, o novíssimo grupo da DSP com uma line-up de 6 meninas pirralhentas e inocentes.

Vocês pediram (na verdade NÃO pediram), e o JESUS USAVA CHANEL finalmente voltou com a terceira parte da nossa aguardadíssima lista das 100 MELHORES MÚSICAS DA DÉCADA DE 2010. Como o blog anda com uma rotina bem regular de posts desde o último mês, basicamente optamos por lançar essa lista de forma mensal – ou seja, a próxima e última parte dela vai rolar pontualmente no mês que vem. Nessa parte 3, a penúltima parte dessa série cansativa, nós comentamos as músicas das posições 50 a 26. A gente tá cada vez mais perto do pódio e, pelos artistas que aparecem aqui, acho que já dá pra ter uma noção de quem vai dar ou não as caras no nosso top 25 em agosto.

Depois de incontáveis aberturas de animes disfarçadas com o mínimo de arranjos pop-rock, ou versões da sua música de debut “Glass Bead”, o grupo GFRIEND decidiu que estava na hora de assumir uma nova identidade. Afinal, todos os grupos da sua geração já tinham passado por uma mudança e elas eram realmente as únicas que ainda levavam alguns elogios do conservadorismo sul-coreano por reciclar a mesma música e manter assim as chances de um hit top 50.

O podcast principal do JESUS USAVA CHANEL tá de volta com um especialzinho pro Pride Month (que inclusive já passou há muito tempo). Nesse episódio, onde o Lucas está excepcionalmente ausente, nós comentamos sobre uma prática safadíssima da cultura pop e que já pescou muita gente por aí: o Queerbaiting! Além de explicar o termo para quem ainda não é muito entendido sobre o tema, nós também listamos alguns exemplos importantes de pescaria LGBT+ nos mercados midiáticos do ocidente e do oriente!