Agosto, o mês do cachorro louco, finalmente chegou ao fim. YASSSS! E como o JESUS USAVA CHANEL praticamente não funcionou durante esse mês inteiro, preparamos essa edição do PRE:CAST justamente para comentar os acontecimentos da música pop, do cenário político brasileiro e do panorama global da saúde mais relevantes desse oitavo mês do extenso e tortuoso ano de 2020. Vamos falar um pouco sobre a colaboração do BLACKPINK com a Selena Gomez em “Ice Cream”, da última edição do VMA, que premiou a Lady Gaga com o TRICON Award, do álbum “Smile” da Katy Perry, das celebridades furadoras de quarentena, das celebridades envenenadoras de maridos e também da discografia do RBD, que está prestes a entrar nas plataformas de streaming… Ufa! Vem dar play:

Deixemos antigos amargores de lado, afinal a vida é doce e talvez também gelada e cremosa. Sim, a coluna RECAPEANDO está de volta do inferno para fazer uma produtiva análise de mais uma intelectualíssima e multifacetada obra visual do BLACKPINK, agora com a participação da cantora e chef de cozinha Solineuza Gomez – isso mesmo, estamos falando do single “ICE CREAM”!

O que fazer quando você, uma artista anteriormente querida pelo público, deixou a sua reputação mais suja do que pau de galinheiro depois de um álbum de qualidade duvidosa? Uma limpeza de imagem musical, é claro! E é por isso que o sétimo episódio do podcast do JESUS USAVA CHANEL se trata de um longo estudo sobre a construção visual de mocinha na indústria da música pop, com uma discussão sobre artistas que mudaram seus direcionamentos musicais para reconquistarem o público – tudo com um selo Rafa Kalimann de qualidade! [TRIGGER WARNING] O episódio traz rápidas menções sobre assuntos densos como assédio e abuso sexual, então não clique em play caso esses sejam temas sensíveis para você.

Com o Rainbow já caindo aos pedaços e o KARA prestes a se tornar um grupo de uma pessoa só (forças, Youngji), a DSP Media estava precisando de um novo girlgroup para continuar o seu legado de falcatruas e sonegação de impostos. Responsável vários hits no passado com suas empreitadas, não era possível que a empresa não conseguiria nada nessa nova geração, não é? Surge então em 2015 o APRIL, o novíssimo grupo da DSP com uma line-up de 6 meninas pirralhentas e inocentes.

Vocês pediram (na verdade NÃO pediram), e o JESUS USAVA CHANEL finalmente voltou com a terceira parte da nossa aguardadíssima lista das 100 MELHORES MÚSICAS DA DÉCADA DE 2010. Como o blog anda com uma rotina bem regular de posts desde o último mês, basicamente optamos por lançar essa lista de forma mensal – ou seja, a próxima e última parte dela vai rolar pontualmente no mês que vem. Nessa parte 3, a penúltima parte dessa série cansativa, nós comentamos as músicas das posições 50 a 26. A gente tá cada vez mais perto do pódio e, pelos artistas que aparecem aqui, acho que já dá pra ter uma noção de quem vai dar ou não as caras no nosso top 25 em agosto.