TRACK REVIEW: Luísa Sonza – Garupa (feat. Pabllo Vittar)

Em sua primeira colaboração com Pabllo Vittar, Luísa Sonza entrega uma faixa divertida, despretensiosa e com potencial viral sem deixar desejar na qualidade. O single pop com influências do funk brasileiro, consegue mostrar um pouco do que Sonza faz como artista e ainda tendo o adicional da drag queen superstar ao seu lado, unindo forças para um refrão catchy, prometendo figurar nas maiores paradas do Brasil. A produção do já conhecido Rodrigo Gorky, com Pabllo Vittar co-escrevendo e outros nomes que vão integrando o time por trás da música, deixam a estrutura extremamente interessante, unindo trompetas ao som de motores presentes em motos, e mostrando que esses dois nomes tem muito a oferecer para o cenário.

Luísa Sonza sem dúvidas não é estranha para ninguém, com músicas que fizeram parte até de trilhas sonoras de algumas novelas da Globo – “Devagarinho” tocava quase sempre -, a menina chegou bem discreta na música pop brasileira, mas mostra que está disposta a crescer ainda mais enquanto artista. “Garupa” é um desses exemplos. O pop infectado de um bass típico de funk – mas que aqui aparece bem menos que outras músicas do gênero -, tem um refrão grudento, com as vozes de Sonza e Vittar alternando-se para criar um clímax interessante, obrigando seu ouvinte a voltar atrás da música quando ela acaba.

A vibe sedutora de “Garupa” é construída através da figura de Pabllo Vittar, chegando ao lado da voz “doce” de Luísa Sonza, mas também pela bridge que faz alusão ao hit “Gasolina” de Daddy Yankee, onde elas repetem uma brincadeira de duplo sentido com o líquido que faz os motores de automóveis funcionarem. Além de claro, as referências ao hit brasileiro “Dança da Motinha”, da cantora de funk Vanessinha Pikatchu, como se tivessem realmente pegando o legado dessa e embutindo em “Garupa”. Em crescendo, elas chegam no refrão onde as batidas típicas de Rodrigo Gorky começam a fazer o mesmo efeito dos hits inclinados ao funk de Pabllo Vittar. Por sua vez, a drag queen tenta “dar partida” a essa faixa, colocando seus vocais poderosos dentro da ponte para o refrão, simulando algo parecido com seu icônico marco cultural em “Sua Cara”, música de Major Lazer.

Mas a intérprete de “Boa Menina” também não ficou para trás. Luísa Sonza mostrou que é realmente um nome a ser reconhecido nessa indústria ao longo da duração da faixa, mas principalmente pela criação da última parte, onde ela continua repetindo “na garupa/vem me deixar maluca” em um heavy bass divertido, ao mesmo tempo que sensual. Prometendo que essa pode ser um dos seus grandes hits, após a faixa que é puramente funk “Devagarinho”. Diferentemente da citada, “Garupa”, une vários elementos divertidos, sabe suas referências e honra todas elas, além de ter um sentimento quase certo de imersão em um daqueles jogos de fliperama, onde você senta em uma das motos e guia sua personagem por ali.

Dedicadas em fazer a música um grande hit, as duas artistas presentes no single também querem mostrar como o pop brasileiro tem muita coisa a oferecer. A cena está cada vez crescendo mais, com drag queens liderando esse momento e deixando claro que a indústria aqui vai ser totalmente diversificada. “Garupa” é uma prova que é possível respeitar ritmos brasileiros – o funk -, unindo à outras referências sem deixar tudo tão datado, ou batido. O álbum de Luísa Sonza, “Pandora”, já está disponível em todas as plataformas de streaming.