2 anos de Eclipse: a faixa que trouxe o lado 'sultry' do LOONA

Uma deusa, uma louca, uma feiticeira. Kim Lip surgiu aos olhos do público 2 anos atrás para clamar o título de “Garota do Mês” no projeto de supergrupo LOONA. A história desse grupo de 12 meninas pode parecer um tanto inusitada, já que seu debut foi feito de forma não-convencional tendo uma música solo para cada menina, mesmo que estivessem um tanto escondida dos olhos da internet por conta de sua música, as pessoas que olhavam aquela ideia a achava mirabolante. Foi aí que “Eclipse” surgiu, ao lado de uma menina loira cheia de atitude e um sultry destoante dos lançamentos do LOONA até então.

Chamando a atenção de fanbases variadas, Kim Lip se distanciava das outras “meninas do mês” basicamente por ser uma loira cheia de atitude, e com uma produção r&b mais “moderna” do que as outras faixas reveladas até então. Parece que com a revelação de “Eclipse” começou uma revolução sonora no próprio projeto da BlockBerry Creative (BBC pra facilitar), e que a faísca necessária para despertar interesse no público da internet (um pouco do alvo deles) tinha finalmente acendido.

Não é como se a BBC não tivesse tido cuidado aos detalhamentos dos lançamentos anteriores. Mas “Eclipse” foi diferente, não apenas no circuito LOONA, mas também no circuito de músicas pop sul-coreanas. As meninas até então reveladas eram quase derivados de outros lançamentos antigos do gênero que não figuravam as maiores posições nos charts, mas ainda assim eram suficientes para a consolidação de uma fanbase vasta no país natal. O que era bom, não tem porquê mudar uma fórmula vencedora, mas colocava o LOONA ainda nesse circuito um tanto fechado. Eu gosto de considerar “Eclipse” a primeira abertura do projeto ao mundo “globalizado”, não apenas pela sua produção que usufrui muito de batidas europeias, afinal muitas delas já eram conhecidas e o público não parecia se conectar tão bem com elas, mas também por mostrar um trabalho diferente que dialogasse com a Coreia do Sul e o mundo que consome k-pop fora desses lugares.

O acontecimento de Kim Lip trouxe ao LOONA, o reconhecimento de outras áreas do mundo, além do fato dela ter se mostrado como uma nova faceta sonora do grupo. Até então, ninguém saberia em qual narrativa musical elas se encaixariam, mas Kim Lip a diversidade foi confirmada como um dos elementos do grupo. O sultry de “Eclipse”, com o r&b aveludado, se aproximava muito das produções do lado “velvet” de Red Velvet, mas não deixava de referenciar nomes grandes da indústria fonográfica ocidental. Kim Lip trouxe todos os aparatos para mostrar o quão especial seria sua atribuição ao grupo, e tudo que ela tinha a oferecer.

A música foi tão impactante na carreira do grupo que alcançou marcas nunca alcançadas por uma das outras meninas do projeto. Foi o primeiro do grupo a ter um milhão de visualizações no youtube, além de influenciar a sub-ubit ODD EYE CIRCLE a chartear no iTunes. Depois de “Eclipse”, a perspectiva sobre como o grupo ia seguir com seus lançamentos foi mudada e tudo podia acontecer.

Todos os solos das meninas do LOONA tem seu mérito para a construção do grupo. Porém, “Eclipse” foi o primeiro lançamento que esteve fora do circuito “white aegyo” estabelecido pelo LOONA ⅓ até então. Eleita uma das melhores músicas de 2017 pelo JESUSWORECHANEL, não é à toa que ela tenha se destacado em uma escassez de produções musicais da época.