Ru-cap: Rupaul's Drag Race All Stars S04E04 'A morte de LATRILA'

Hello, hello, hello, depois de um breve recesso – afinal somos todos humanas aos olhos de Cristo e merecíamos um descanso após a maratona de posts de fim de ano no JESUSWORECHANEL – voltamos com o magnífico Ru-cap para a alegria de um total de 4 pessoas que ainda dão atenção à amargurada RuPaul e seu reality de mulheres fictícias ou trans. Atropelando várias semanas do programa em prol da nossa própria paz interior, temos nada mais que TRÊS episódios para cobrir e vamos fazer isso nesse gorduchíssimo post que compila tudo das últimas aventuras das nossas queridas competidoras drag em um turbilhão de desafios toscos e milkagem de drama com as mais diversas temáticas possíveis. Antes de começarmos, é claro, precisamos agradecer ao nosso querido público que nos aclama e dá forças para que continuemos com nossa cobertura semanal do Drag Rac-

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH ❤

As últimas semanas do All Stars 4 realmente deram uma revivida nesse que é pra ser um grande passatempo das gays de todo o mundo + uma dose semanal de rivalidade LGBT amoooo. Servindo todas as camadas de atritos desnecessários e desafios pouco inspirados, RuPaul realmente fez algo de bom em acordar pra vida depois de um primeiro episódio extremamente underwhelming que não nos deixou muito esperançosas para os próximos capítulos da TELENOVELA norte-latina. Vamos às highlights de alguns dos episódios anteriores.

S04E02

O desafio do episódio 2 requeriu das nossas draglícias um trabalho de equipe imenso visto que elas foram desafiadas a criar um girlgroup que pudesse demonstrar o mesmo empenho em palco que o BLACKPINK vem demonstrando recentemente – nada difícil. Divididas em dois grupos, as gatinhas se jogaram em conceitinhos de rivalidade feminina grupal ao criarem músicas e momentos diferentes para suas respectivas apresentações. O único twist crocante desse episódio foi um featuring com a eterna Stacy “Henny” Lane Matthews (mais uma tentativa do Drag Race de se autorreferenciar à exaustão), que foi convidada pra ficar no palco parada e fazendo caras e bocas enquanto os grupos performavam… algo mais ou menos inspirado nos poderes de performance da Soyeon do finado grupo T-ara, que nos últimos anos de vida da girlband ficava parada e morta no palco enquanto as outras integrantes ralavam o cu =] O resultado disso foi a já esperada eliminação de Farrah Moan, pessoalmente mandada para casa por falta de afinidade com a vencedora do lipsync não tão bom de “Into You” da Ariana Grande, Valentina, que teve a sua esperada RUDEMPTION e provou que tem neurônios o suficiente pra decorar uma letra de música completa.

S04E03

Já o Snatch Game do episódio 3 teve uma repaginada inesperada e conseguiu deixar as coisas minimamente interessantezzzz: colocou um bachelor gay branco padrão fã da Britney Spears e uma poc desconstruidx bissexual que posta foto do púbis nas redes sociais como homens à procura de uma parceira, dando o nome de “Snatch Game of Love”. Tirando o drama Gia Gunn e Trinity The Aquenda por quem iria fazer o papel da trans conservadora e fudidíssima Caitlyn Jenner, nada de muito incrível aconteceu. Naomi Smalls provou ser uma fada memeal e colocou em pauta a Wendy Williams em uma performance muito boa, mas os destaques do desafio foram mesmo Manilão Luzon e Trinity The Neca, que fizeram um melhor trabalho representando a Lady Gaga das cacuras, Barbra Streisand, e… bom… a Caitilyn Jenner, respectivamente.

Manila ganhou POR DIREITO (HAHAHAHAH JURA), e a ditadura Luzon marcou seu início mandando a quenga Gia Gunn finalmente para casa o/ Claro que a puta saiu por ter sido extremamente não-profissional e insuportável em cada minuto do seu screentime, querendo atropelar as colegas sem sentido algum e criando dramas desnecessários que nem nós fãs de dramas desnecessários aguentamos. (De bônus tivemos também a RuPaula mostrando que suas pernas são de verdade, negando boatos que a ela usava próteses roubadas da robô Sophia).

PUTA POR FAVOR

S04E04

Back, back, back, back – to 1999 – ao episódio da semana. “Jersey Justice”, o quarto episódio da temporada quatro de All Stars foi recheadíssimo de coisas deliciosas: um challenge engraçado (crêa), a valentina rachando o cu pra ser a “villaintina” que tanto foi alardeada nos spoilers da season (risos) e a Michelle Visage realmente tentando forçar qualquer carisma que ela nunca teve o/ a gente passa mal sempre que enfiam ela nos desafios porque essa véia peituda tende sempre a tornar tudo 900% mais desagradável. Depois da eliminação da primeira trans participante do reality show, as meninas decidiram discutir sobre as escolhas e os critérios de suas escolhas no jogo, mas é óbvio que ninguém as entregou algum livro de regras, então elas não são obrigadas a nada de verdade – apenas a ouvir a Trinity The Aquenda se fazendo de boba falando que nunca iria eliminar as mais fortezzzzzzzz, e a Valentina tentando realmente ser uma vilã por nenhuma razão aparente, apenas para entregar uma narrativa que não seja datada ou batidazzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz.

Another day, another workroom drama, as meninas voltam para a sala da labuta para mais um dia de fingimentos com a coitada da RuPaul em mais um de seus ternos bregas estampados pelo próprio Dudu Bertholini. A querida femmehologram drag mais bem sucedida da indústria mostra às meninas o desafio semanal que é nada mais, nada menos que uma sketch de programa norte-americano judicial com a temática mesclada com JERSEY SHORE, simplesmente o reality mais culturalmente relevante dos últimos 10 anos e que caso ainda fosse exibido mereceria muito mais ganhar recaps do que o Drag Race. Divididas em grupo, ficamos com as gostosas da season 9, Valentina e Trinity, com a esquete “Fui enganada pela Snooki”; o grupo “ainda vou te dar muito orgulho velha”, Naomi Smalls e Manila Luzon com o caso “Você me fez parecer uma rapariga, rapariga!”; e por último, mas não menos importante, o trio brown cow esponja royale, Monique, Latrice e Monet estrelando “E aqueles bolos?”. Além do fato de Latrição Royale se mostrar com os mesmos gatilhos instaurados pelo snatch game da temporada dela, nada de interessante acontece nos ensaios.

Carishmaticannnn ❤

Atenção, estamos prestes a entrar na sala de julgamento de MICHELLE VISAGE, você não é uma drag queen normativa feminina? Então se prepara para perder o caso no programa sem sal dela, JERSEY JUSTICE. Com o carisma negativo dessa host e elementos tosquíssimos que tentam forçar #humor a cada segundo, a primeira esquete que acontece é a do grupo “ainda vou te dar muito orgulho velha”, que basicamente se destacou pela boa dinâmica entre as personalidades da Manila e Naomi.

Imitando muito bem os trejeitos de uma forma bem zorratotal-ish caricata, como a dona do programa gosta, a dupla simplesmente fez um show engraçado até mesmo para quem não pega as referências das gatas – o que eu acho difícil pois todas já viram Jersey Shore. A esquete é claramente inspirada na cadelinha Amanda de certos grupos do facebook, e no desenrolar da coisa percebemos que a Manila é uma quenga realmente DEVOTADA ao humor, tão devotada que já fez piada racista até com a própria etnia, e por causa disso ela acaba eventualmente ofuscando a Naomi, que apesar do desempenho bom fica bem atrás de sua companheira ://// No fim temos uma parte podre da Rupaul fazendo man drag e entrevistando as concorrentes que não valeu de nada além de rolar uma vergonhazinha alheia de leve.

A segunda esquete é inspirada na cantora hitmaker taiwanesa Jolin Tsai e sua obsessão por bolos, “E aqueles bolos?”. Nela, o grupo empoderadx da batekoo Latrice, Monique e Monét se unem em uma historinha nada a ver sobre confeitaria e zzzzzzzzz não interessa. O destaque mesmo vai para Moniquezão s2 fazendo o papel de uma puta barraqueira com a voz mais aguda e irritante que os registros vocais da cantora Chungha. A gata simplesmente rouba a cena a todo o momento e deixa as suas companheiras de time na poeira, o que pode ser visto como algo positivo pra ela mas extremamente negativo pra equipe no geral, já que as outras duas tomam no cu o/ Latrice, que é conhecida por servir humor naturalmente mas tinha fraquejado nisso no desafio passado, agora consegue fraquejar MAIS AINDA ao não render nenhuma piada e ficar com uma constante cara de que acabou de ser obrigada a ouvir algum cd da Alaska Thunderfuck:

Guardem este momento. Por outro lado Monét X chuca interpreta nada mais… que ela mesma com um figurino da Daniele Winits.

O negócio é ruim do começo ao fim mas consegue a proeza de terminar da pior forma possível com uma bagunça de barraco encenado com bolo voando pra todos os lados e tentativas de catchphrases e piadinhas pontuais a cada segundo

Por último temos a esquete “Fui enganada pela Andressa Urach”, onde Trinityzão e Valentina brigam pelo fato de que Tina é uma impostora da subcelebridade de reality americano Snooki, basicamente a Andressa Urach versão soft deles. Trinity interpreta uma véia safada desfrutável e que está pronta para chamar o gerente a qualquer momento, ou seja: ela interpreta ela mesma.

Por outro lado, Valentina interpreta a Snooki, conseguindo imitar os trejeitos e visual da quenga do Jersey Shore e ganhando grandes pontos com isso, conseguindo render um humor que nunca havíamos visto na gata até hoje. Assim como na esquete anterior, tudo termina em um quebra-cu bagunçadíssimo apenas feito pra gerar o efeito impecavelmente trash que o desafio pedia.

ÓBVIO que esse desafio só serve para que observemos a participação especial da Stacy (sim aqui de novo e não anunciada) como escrivã fazendo esse tipo de expreessão:

De volta para a workroom, onde as gatas se preparam para a runway de “curvas e enchimentos”, as quengas que foram mal no desafio sabem disso e se digladiam para decidir qual foi a MENOS pior. Latrice sabe que tomou no cu lindo e serviu tanto humor quanto a Michelle Visage serve em seu dia a dia, mas isso não a impede de fazer uma safadíssima cara de que nada aconteceu e ainda confrontar Trinityzão the Tuck pelo timing ruim de piadas da véia e o fato de que a idade a fez esquecer seu nome fictício em algum momento da sua esquete. Nada disso tem relevância já que é só preparação para aceitarmos o inevitável: a eliminação da Latrice e a morte da lendária dupla LATRILA o/

Na runway não temos nada muito relevante além da Manila Luzon que foi impedida de usar um absorvente gigante na ocasião e optou por aparecer com um look menos apropriador da Gwen Stefani na era Love.Angel.Music.Baby.

Zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz qualquer merda com estampa de vaca da Moniquezão s2.

Monét tentando a todo o custo ser meme-friendly com o máximo que sua bagagem cultural pode render: uma referência à Kim Kardashian =]

Na deliberação, Monique e Manila ficam no top 2 do desafio, enquanto Monét e Latrição ficam merecidamente entre as duas piores e com risco de eliminação. Latrice é claro continua se fazendo de desentendida – uma licença poética iniciada nessa season pela Jasmine Masters – e dizendo “ah eu nem fui tão mal assim”. Nesse segmento também temos Zoe Kravitz com cara de tédio mostrando que ela claramente só virou jurada convidada do programa por causa de obrigações contratuais com a divulgação da próxima temporada da culturalmente relevante série Big Little Lies. Rola até uma piada com ASMR depois mas ela teria sido muito mais apropriada pra um episódio do programa cuja convidada fosse a Selena Gomez.

The excitement!

A seguir temos o famoso bloquinho do drama e chororô, e aqui Manila e Latrice, bffs inseparáveis e dupla na competição do All Stars 1, choram até o cu fazer bico com a eliminação certa da latrina. No meio disso também temos Valentina apenas querendo chamar a atenção ao reclamar de como foi mal jugada por uma das guest judges que não viu seu look de manequim humano com bons olhos, um daqueles momentos aleatórios colocados pra quebrar clima mas que nesse caso foi só bastante????? ok, linda.

Na dublagem temos Manilão e Monique com looks oitentistas terríveis e toscos para performar a canção também oitentista e terrível de tosca “A quenga está de volta” da Tina Turner (aqui anunciada como “música do Elthon John performada pela Tina Turner”… the audacity). O Lipsync é uma merda mas Monique claramente brilha mais e acaba ganhando o negócio todo. A vaca chora com voz fina e faz draminha na hora de escolher quem eliminar, mas no fim das contas sabemos que quem vai para casa é Latrição.

Manila faz caras de drama enquanto sua amiga é chutada do reality e acaba com todas as esperanças delas continuarem até o fim juntas (um conceito podre de péssimo se levarmos em conta que só foi posto em prática pelas Heathers e Rolaskatox).

Latrice vai embora toda chorosa mas com aqueles mesmo clichês toscos de “nhaiiiinnnn eu sou uma lenda e não é uma eliminação por um desafio onde eu fui incompetente e não soube nem admitir isso que vai provar o contrário”. Como eu já havia dito antes, licença poética Jasmine Masters™! O programa continua finalizando o episódio sem prováveis twists de retorno de integrantes, e nos perguntamos qual a próxima safadeza que a Rupaul está aprontando. Stay tuned girlies e não se esqueçam de seguir a nossa página no facebook. Voltamos na próxima semana!