Ru-cap: Rupaul's Drag Race All Stars S04E01 'Just As I Thought… Trash'

Olá safadíssimas leitoras que ainda acompanham o JESUSWORECHANEL na nossa transcendental missão de trazer recaps semanais desse programa onde belas transformistas dubladoras perdem suas dignidades em busca de um pouco de relevância no hall das reality personalities de emissoras B da TV americana. Nossos recaps do Drag Race ficaram em cheque nos últimos tempos, seja pelas temporadas horríveis que foram o All Stars 3 (que destruiu todos os neurônios de Matheus @bucetacore e deixou ele em hiato do blog até hoje) e a season 9, seja pelo fato de que nosso último e muito deliciosamente manufaturado post de apostas pro All Stars 4 simplesmente FLOPOU amargamente em views e nos fez repensar se valia mesmo a pena perder nossos preciosos minutos de introspecção e ansiedade social de fim de ano com posts sobre esse programa =]

Mas é, nós ainda não desistimos de cobrir essa marmota semana após semana, e é por isso que estamos aqui com o nosso primeiríssimo ru-cap semanal da quarta temporada do spin-off mais duvidoso do Drag Race que o próprio finado Drag U. Então liguem seus motores e que a drag mais sem carisma após um safadíssimo plot twist vença o/

O primeiríssimo episódio dessa temporada – simplesmente a TERCEIRA TEMPORADA exibida esse ano e batendo de frente com o Masterchef Brasil no quesito saturação – a nossa fave velha sequelada com escoliose por ficar tanto tempo sentada com má postura e uma peruca com laquê pesadíssimo, provou com todas as palavras que sua missão na terra é milkar à exaustão tudo de bom que esse reality B-list um dia foi. Começando pela breguissíma intro circa season 4 onde RuPaula, com uma estética tosca de história em quadrinhos tirada diretamente do Windows Movie Maker, começa dizendo que recrutou as filhas mais lendárias (kkkk Gia Gunn e Monet X Change no cast) para integrar o seleto HALL OF FAME do programa que é formado por uma cacura mumificada (Chad Michaels), uma cotada horrorosa (Alaska etc) e uma drag que todo mundo – nem ela própria – sabe como foi parar ali (Trixie Mattel)… simplesmente QUEM NÃO quer fazer parte desse painel altamente disfuncional de vencedoras aleatórias, né não? =]

Como de praxe, as gostosas vão entrando na renovadíssima workroom pós-VH1, cada uma revivendo seus AUGES de suas respectivas temporadas (se é que algumas ali tiveram realmente auges): Monique Heart com seu “brow cow, stunning”, Naomi Smalls com suas pernas gostosíssimas e mais longas que a atual metragem de padding da Roxxxy Andrews, a velha safadíssima Trinity The Tuck (pois sim esse é o nome dela agora que a era Reputation passou e Taylor não parecia um sobrenome lá muito enaltecedor) vestida de BTS… de cara já sabemos que não temos nenhuma novidade no formato que já vem sendo o mesmo há um tempo repetido à exaustão, o que consegue equiparar o Drag Race a engessadíssimos programas flopados da Globo que não saíram do ar até hoje.

Tudo tá ok até a corajosa Monet X Change ter a pachorra de falar que a temporada dela – responsável PELO FIM DO NOSSO RU-CAP – foi uma ótima season, diferentemente das season 9 e 7 que foram “bem chatas” =]. De fato a gata não mentiu, mas esses são assuntos para outra hora já que a temporada 10 foi extremamente esquecível TAMBÉM. É claro que a falta de autocrítica desse programa e de suas participantes só é comparável à do PT. Esse momento de “tensão” foi cortado exatamente na parte em que a belíssima cobra escorada em traços latinos de telenovelas mexicanas apareceu com um saco de lixo mais refinado que o de Mayhem Miller na season 10 e Chi Chi De’vayne em todas as temporadas que apareceu. Apesar de ser um saco de lixo latino, não estamos falando da cantora de reggaeton Anitta /o/

De cara já sabemos que Monét X Change é a gata delusional da temporada, achando que seu “talento” é maior e ela tem alguma chance de vencer qualquer desafio mesmo sabendo que na sua temporada ganhou NADA e ainda lutou arduamente pra tentar emplacar uma gimmick-gag com aquelas esponjas que… bom… nunca colou. E o drama Valentina x Farrah Moan já morreu, mesmo que a primeira fale que ela sempre amou ser a “vilã” apenas pela simples certeza de que isso vai render um screentimezinho.

Gia Gunn, que venceu na vida e hoje em dia tem dinheiro pra começar a comprar roupas caríssimas da marisa e da riachuelo, já chega desmerecendo outras que não possuem poder aquisitivo assim como Monique Heart, cuja missão vai ser irritar a todos falando “stunning” a todo momento como sua catchphrase e desgastar sua imagem ao ponto de ninguém gostar mais da queridinha da América. Aqui já percebemos que Gia, agora empoderada pelo hino WOMAN da cantora e também asiática BoA, vai receber o editzinho safado de vilã óbvia nessa temporada e iaaaaaaaaaaaarghhh isso só pode ter um único e claro motivo #ATENÇÃO #MILITÂNCIA: transfobia descarada por parte da RuPaula. Mas… meh, se fosse uma drag realmente interessante nós nos deliciaríamos masoquistamente com cada uma de suas vilanices durante a season, mas a Gia tem o potencial pra durar 4 episódios SE MUITO e no máximo render alguma briga de birras com alguma outra aleatória nível Farrah Moan.

Ah….bom lembrar que a velha mumificada in drag resolveu usar Latrice Royale e Manila Luzon como um grande plot twist do primeiro episódio esquecendo que as duas já haviam sido anunciadas e reveladas nas fotos promocionais. Não vamos nem acionar mais esclerose, velhice e Alzheimer aqui para não sermos taxados de etaristas, mas é isso… você me saturou completamente RUPAUL! Mas as duas drags veteranas estão gatíssimas e têm o amor de quase toda a fanbase (a coragem de gostar da autorracista da Manilla… ugh – por @bubblegumrave), pois são queens que MERECEM algo desse programa (risos) – pausa para o momento onde a MAMA Ru fala que elas não vão competir em dupla e a pobre coitada da Monet X Change fica aliviada kkkkkk ooooh amor era melhor ter se escorado em alguém diferente da sua esponja fadada ao fracasso.

A livraria está finalmente aberta – não que alguma gay de fato SAIBA ler – e os óculos para as minorias míopes (com um devido e safado merchan que não poderia faltar) são dados. Aviso que vou me poupar de falar das seguintes coitadas: Farrah Moan, Monét X Change e Gia Gunn… reads esquecíveis assim como suas personalidades bjus *-*. Latrice Royale felizmente voltou mostrando como se faz uma boa LEITURA sem que seja completamente esquecível ou má, mostrando a força da mulher plus size forte e independente e dona da sua própria vida – ela vence o minidesafio porque… né… /o/ Para o choque de NINGUÉM, RuPaul anuncia o famoso show de *talentos* como o primeiro challenge do All Stars, uma bela merda tirada da criatividade dos produtores desse fracasso que já se repete há 3 seasons. E obviamente já tivemos a produção marcando certas competidoras como vilãs e wild cards, como o previsível drama da Gia com a Farrah sobre “ainnnn você tem talento? eu não achoãnnn queridahhh”… eu DISSE que essa quenga ia querer vilanizar logo com alguma participante aleatória e não estava errado o/

SHOW DE TALENTOS/HORRORES

Pff. Se talento for fazer uma performance de lipsync sem graça (o básico do básico da arte drag) com um ou outro truquezinho a mais então estamos no caminho certo, girlies! Com uma plateia de veteranos ou atuais militares americanos LGBT (alguma espécie de piada obscura e com um timing muito preciso sobre INTERVENÇÃO MILITAR DJÁ), as competidoras se apresentam uma a uma com números extremamente pointless e que garantem um gasto desnecessaríssimo de nada mais que uns bons 20 minutos da duração da bagaça toda. A primeira é a Monique S2, que faz uma apresentação liveannnn de sua música sobre vaca que eu realmente não entendo a graça ou a piada em si porque sinceramente abandonei a season 9 após o episódio 4 o/ mas exijo que os direitos autorais disso sejam pagos diretamente à artista Doja Cat por seu hit “Mooo!“. O negócio é ok e rende umas caras de surpresa óbvias da RuPaul durante um death drop previsível de Moniquezão, coisa que virou marca registrada desse show de talentos até. O que chama a atenção aqui mesmo são as caras e bocas da velha guest judge do episódio que parece estar mais fumadíssima que o Matheus @bucetacore após uma crise de ansiedade.

Logo depois temos Naomi Smalzzzzz com também um número de lipsync com um house óbvio sobre moda que é o único assunto ou referência cultural que essa gata rasa tem… então aparece a seguir nada mais que KODA KUMIZÃO performando seu hit SO NICE… não… é apenas a Gia Gunn divulgando a turnê do JAPONESQUE com alguns truques de leque que a safada diz ter demorado nada menos que sei lá 15 anos pra apender, provavelmente tendo começado o curso de manuseio do objeto na mesma época em que a icônica Lee Jung Hyun pôs os leques na moda com seu hit “Wa“.

Nessa altura do campoenato eu nem sequer mais lembro a ordem das performances visto que foram quase todas realmente muito esquecíveis, mas vamos aos fatos importantes: Farrazão Moan começa sua “performance” burlesca incrivelmente bem mais capenga e bem menos gostosa que a performance da Roxxxy Andrews no AS2 com essa mesma temática. Tudo rola bem e a galera vai ao delírio com a beleza e as nádegas de passarinho da gata até que ela simplesmente CAI DE CU no palco e a tensão sobe no show de talentos. A edição rápida e tosca como sempre não poupa em colocar milhares de cenas em off das participantes se chocando com a queda, dando uma milkadinha indispensável no momento e alguns closes tendenciosos como na Gia Gunn que parece realizadíssima com o acontecimento. Farrah fica desconcertada e nervosa durante o resto do número, então guardem essa performance porque ela ainda rende durante o resto do epi.

Após esse estrondo temos uma sequência tortuosa de performances péssimas e sem destaque como Manila fazendo uma pintura conceitual no palco ao som de música clássica, Latrice rodando bandeiras e dublando uma track HORRÍVEL no intuito de ganhar os jurados apenas por seu carisma e nada mais, Valentina dublando também outra track lamentável e anhhhhhhhhhhhhhh foi TÃO chato que é até difícil lembrar de momentos minimamente não-dormíveis dessa pataquada toda. Para quebrar o clima ao menos a nossa velha safada favorita Trinity The Tuck nos apresenta o seu maravilhoso talento: prender seu TICO GROSSO com fita metálica! SIM, o talento da gata na competição de talento é literalmente aquendar o pau e ela faz isso com maestria enquanto nos enche com aesthetics sessentista e uma dublagem infelizmente pobre que faz até a gente entender um pouco a derrota dela para a Peppermint no lipsync final da season 9.

[The Danny Bond – Prikito jumped out]

A mais esperada da noite foi obviamente a nossa drag mais querida de vídeos virais e reaction imagens nas redes sociais: Jasmine Masters. Claro que a participação de Jasminezão nessa season não é nada mais que uma formalidade pra que ela enalteça ainda mais o próprio nome enquanto milka um pouco dese reality que ela provavelmente odeia =] Com isso em mente, a gata resolve se autosabotar de uma forma extremamente descarada ao apresentar um stand-up comedy sem roteiro nenhum onde ela metralha uma sequência desconcertante de piadas sobre lambeção de cu e merda @_@ tudo isso claro com um apoio da edição que tira a music track e deixa tudo ainda mais desconfortável e catastrófico. Acostumadas com humor nível luscas e Diva Depressão, as poczinhas da plateia ficam chocadas com o baixo calão do humor socialmente relevante e anatomicamente profundo da gostosona hitmaker da internet.

Desgraça feita, Trinityzão e Monique S2 figuram no top 2 do desafio, assim como Jasmine e Farrah Moan se encontram em seus merecidíssimos espaços no Bottom 2. A deliberação (risos), basicamente aquele bloco extenso e chatíssimo onde as gatas só ficam jogando papo fora por cima de uma atmosfera forçadíssima de tensão, dessa vez é marcada pela Jasmine negando safadamente que a apresentação de comédia dela foi ruim e por Farrah chorando e fazendo birrinha até o cu fazer bico, o que nos rendeu pelo menos umas 20 screencaps da sósia da Christina Aguilera vertendo lágrimas inacabáveis, e por falta do que comentar nessa parte desinteressante mesmo nós vamos anexar aqui os nossos prints favoritos o/

Trinity e Monique competem num lipsync do cacura classic “Emotions” da Mariah Carey onde Trinity vence INDEVIDAMENTE já que Moniquezão deixa sua peruca cair (ou no caso voar) e sabemos bem que até hoje RuPaul não superou o seu tenebroso abuso por drags sem peruca. Sem grandes surpresas, Jasminezão é a escolhida para deixar o programa, o que causa mais uma crise de choro na Farrah Moan e a quenga quase se dezfaz em lágrimas no palco e zzzzzzzz

Na sua cena de despedida, Jasminezão, que minutos atrás estava consolando Farrah, solta vários shades sobre a atitude tosca e crybaby de sua ex competidora, indo ainda mais longe ao não admitir nenhum de seus erros e ainda deixar claro que ela só resolveu participar dessa edição do All Stars only for the lulz /o/ e a gente simplesmente não pode repreender ela por isso.

Dessa vez não rolou nenhuma safadeza de possível retorno de eliminadas como acontecia já de cara no All Stars 2 e naquela tosqueira horrível de twist Handmaid’s Tale na season 3, então só nos resta aguardar nada ansiosamente qual é a marmotagem que será guardada para o plot twist da vez. E é isso aí, girlies, não esqueçam de curtir a nossa página no facebook para não perder nenhum ru-cap dessa season que promete ser mais uma bomba no mundo dragracenático e até semana que vem =]