Track Review: Lady Gaga, Bradley Cooper – Shallow

O country despretensioso de “Joanne”, aparece mais uma vez na carreira de Lady Gaga, dessa vez mais polido, como uma progressão natural de um artista do gênero. Mark Ronson, Bradley Cooper – uma primeira vez para o diretor/ator – e Gaga juntam-se para criar o que muitos vem descrevendo como “momento épico”, dentro do filme, “Nasce Uma Estrela”, transcendendo as barreiras entre artistas e personagem. “Shallow” é a primeira música que escutamos até o lançamento oficial da trilha sonora do filme, e não falha em ser um dueto arrepiante entre aquela que já está há um tempo no ramo, e o estreante da vez.

“Nasce Uma Estrela” de Lady Gaga e Bradley Cooper, é o terceiro remake do filme, antes estrelado por grandes nomes como Judy Garland e Barbra Streisand, não havia dúvidas sobre o quão espetacular seria. Com todo o hype que vem gerando, e as conversas precoces sobre a temporada de premiações, um filme musical que tem Lady Gaga em seu primeiro papel protagonista, e uma trilha sonora composta majoritariamente pela cantora, não decepcionaria quase-ninguém. E exatamente por ser formada pela marca musical que Gaga coloca em suas músicas que as expectativas para ouvi-las são gigantes.

Lançada no dia 27 de setembro, através da rádio “beats1” do serviço de streaming Apple Music, “Shallow” é a música principal do filme – afinal foi usada em todos os trailers até então -, onde Gaga e Cooper dialogam sobre a necessidade de mergulharem de cabeça e estarem afastados da superfície. Com pouquíssimos instrumentos, de forma mais intimista, podendo, mais tarde, significar algo maior para a dupla protagonista, a música cresce de forma intensa com os vocais de Lady Gaga comandando a maior parte, nos levando até o ápice dela – acontecendo bem perto do último refrão -, no estilo mais country que a artista já conseguiu alguma vez alcançar, mas sem apagar Bradley Cooper, iniciante no ramo da música, por sua vez soando como um cantor nato do gênero.

A faixa não tem um time muito grande de produtores, contando apenas com Mark Ronson – produtor ativo no último álbum de Lady Gaga com a mesma sonoridade -, Anthony Rossomando e Andrew Wyatt compondo a melodia, enquanto Benjamin Rice – produtor ativo em outras trilhas-sonoras – e Gaga trabalham na letra, para criar um momento íntimo entre duas pessoas, traduzindo isso perfeitamente na composição e na construção de “The Shallow”. O country de raiz presente na música, pode até não ser ideal no primeiro contato com a música, mas a química presente até mesmo na voz dos protagonistas não deixa de arrepiar até os últimos pelos do seu corpo. Principalmente quando a faixa chega em seu ápice. A bridge de “The Shallow”, momento mais esperado da música por estar presente em todo trailer do filme, traduz um sentimento maior que qualquer outra parte, transportando a emoção na voz de Gaga, dona de uma voz impecável, crescendo progressivamente como se quisesse nos levar à outro estado de espírito.

Mesmo que Lady Gaga esteja vocalmente impecável, não podemos deixar de lado a naturalidade de Bradley Cooper. Nunca antes envolvido com um projeto musical, Cooper soa perfeito para o papel. Seu tom controlado, dá à música uma veracidade quase perfeita, conferindo à ela o real sentimento de um single country “conservador” – aquele country de raiz. Além disso, o diretor do filme fez um ótimo contraste com a artista, complementando no sentimentalismo da faixa para que ela conferisse ainda mais veracidade em seu objetivo: mostrar duas pessoas dialogando sua necessidade de mergulhar de cabeça, “Eu estou fora do limite, assista enquanto eu mergulho/Eu nunca vou encontrar o chão” .

Por isso a composição de “Shallow”, também criada pelas mãos da cantora de “Million Reasons”, não parece ser uma inerente ao musical. A faixa funciona fora do filme pela experiência de ouvir pela primeira vez os dois colaborando, de uma forma que parece ser tão sincera e crível. Não é surpresa, para os amantes do gênero, a falta de preocupação com os números musicais de serem criados de forma que eles funcionem “sozinhos”, existe toda uma criação conjunta para que uma música suceda a outra. Mas com “Shallow” parece diferente. Ela é tão boa fora do filme, funcionando como um single solto de uma dupla country novata, quanto parece ser em um conjunto de músicas que se sucedem para criar um grande filme musical.

A faixa country consegue ser bem sucedida em sua premissa, e pode até mesmo não desagradar tantos fãs da cantora quanto seu último álbum, “Joanne”, só pelo fato de ser direcionada à uma personagem fictícia e não à própria discografia de Lady Gaga. O dueto é cru, emocionante e íntimo, criando um grande marco no filme e em sua identidade. A trilha sonora de “Nasce Uma Estrela” será mundialmente lançada dia cinco de Outubro, assim como a estreia oficial do filme nos Estados Unidos.