TRACK REVIEW: O renascimento de AOA com Bingle Bangle

Desde que Choa anunciou a sua saída do AOA no meio do ano passado, o k-pop colidiu sem saber como lidar com isso. Uma das integrantes principais e fundamentais para o grupo, principalmente por ser a vocalista principal desde o começo e responsável pela maioria das high notes, Choa e seu cabelinho loiro de bob cut deixaram um legado enorme.

A FNC então tinha um grande problema nas mãos. Desde que o AOA começou a fazer sucesso, por vezes até mesmo mais que seus grupos antigos, Choa esteve lá e sempre teve grande destaque. A ausência dela seria sentida e eles tinham que contornar isso de alguma forma e o disband não entrou em cogitação hora alguma, já que eles precisavam continuar a capitalizar em cima do grupo, principalmente por conter ícones célebres como a esquilete Jimin e a Seolhyun, a modelo feminista da Sawary Jeans da Coreia.

Foi então que a solução dos problemas finalmente veio, juntamente com a nova música de trabalho das meninas: pintar o cabelo da Yuna de loiro, cortar curtinho igual o da Choa, fazer ela gritar nas músicas e p r o n t o. Tá na cara que essa inspiração toda veio do que Pussycat Dolls fez para preencher a lacuna da saída da Carmit, a ruiva da geração de 6 meninas, que foi pintar o cabelo da Jessica de ruivo e simplesmente seguir em frente.Pode até parecer piada, mas é exatamente o que aconteceu. Não houve nada a se fazer porque não tem o que fazer.

Muito se duvidou se as meninas conseguiriam se manter como um grupo de 6, já que comentavam que não tinha vocalista boa o suficiente para ocupar o lugar da Choa (o que é fake news, já que Yuna sempre se provou excelente, ainda mais quando dado o destaque certo, no AOA Cream) e que o grupo afundaria sem ela. As performances das músicas passadas de OT6 pareciam pouco ensaiadas, um pouco estranhas. Era perceptível que só estavam tentando preencher o espaço que Choa deixou, algo bem parecido com as primeiras performances OT8 de SNSD.

É ai que Bingle Bangle surge como a ressurreição do AOA. O verão coreano se aproxima e as meninas resolveram tentar brigar pelo título de música do verão desse ano, já que o finado SISTAR não está mais aqui para ficar com essa honra. A música é extremamente refrescante e é um pop easy-listening que é totalmente a cara do verão, principalmente com os assovios constantes no refrão, que deixaram ela ainda mais gostosa de se ouvir.


A distribuição de linhas parece mais justa pela primeira vez em anos, já que Choa não está presente para engolir metade dela e Hyejeong finalmente foi tirada da sombra pois descobriram que ela pode cantar (e muito bem, diga-se de passagem), além da coreografia ter um grande potencial de viralizar, por ser extremamente divertida. A música está fazendo muito sucesso na Coreia, contrariando todos que afirmavam veemente que o flop viria, e não poderíamos estar mais felizes com os rumos tomados. O MV também é um show à parte. Misturando ficção 8-bit de videogames e realidade, é visualmente lindo e um dos mais bonitos da singela videografia de AOA.

O mini álbum é bem legalzinho também e o grande destaque com certeza é Ladi Dadi, uma música que poderia facilmente pertencer ao catalogo de músicas de J-LO de 2012. A música não soa datada de jeito nenhum, no entanto, e é extremamente divertida, com uma batida muito dançante. Só ficou faltando mesmo o rap do Pitbull, mas achamos que Jimin e Chanmi fizeram um bom papel cobrindo a falta dele.

Preciso dizer também que não senti muito a falta de Choa em Bingle Bangle. É hora de seguir em frente e AOA está fazendo isso muito bem. Estamos por aqui esperando por mais novidades de AOA e que as meninas continuem trilhando o caminho do sucesso e lançando mais músicas boas.